Foco na notícia

MENU
Logo
Segunda, 19 de outubro de 2020

Importante

Covidão da PF chegará a cidades do sul e extremo Sul da Bahia nos próximos dias

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 Recebemos a informação de que cidades do Sul e extremo Sul da Bahia entraram no radar da PF para futuras investigações, segundo as primeiras informações, as investigações vão de superfaturamento na compra de testes da covid-19, compra de suprimentos hospitalares, revisão de contratos em ONGs para gerenciamento de hospitais de campanha. Ainda segundo nossa fonte em algumas cidades o superfaturamento no teste rápido vária de 40% a 60% no valor original, um teste que tem valor entre 85.00 e 100.00 reais, chegou a ser adquirido por valores entre 140.00 e 190.00 reais.

As investigações tiveram início na capital baiana e cidades da região metropolitana, e deverá rodar as demais regiões do Estado nos próximos dias, na manhã de hoje a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em Salvador e novo triunfo, por suspeita de fraudes em licitações para compra de equipamentos de combate ao coronavírus. Além da Bahia, a operação “Estroinas” acontece nesta quinta-feira, 20, em Sergipe, Pernambuco e Alagoas. Ao todo serão cumpridos 32 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região em uma deflagração conjunta de duas operações, uma do Ministério Público de Sergipe (MP-SE) e outra da PF em Sergipe. O MP e a PF fizeram duas investigações distintas, esta última em razão de investigações de contratos envolvendo verbas públicas federais. O Grupo de Apoio Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Polícia Civil também participaram da operação. Conforme informações da Polícia Federal, na investigação que motivou a expedição dos mandados, apurou-se que mais de R$ 2 milhões vindos do Sistema Único de Saúde foram gastos para a contratação direta de 9 empresas com fortes indícios de fraude.

No extremo Sul, algumas cidades deverão receber visitas de agentes para averiguação de contratos e contratação de ONGs especializadas em gestão hospitalar. Em caso de constatação de irregularidades, os envolvidos serão enquadrados na prática dos crimes de dispensa indevida de licitação, corrupção passiva e corrupção ativa, associação criminosa e desvio de recursos públicos, que juntos somam mais de 20 anos de prisão. 

 

Fonte/Créditos: Exclusividade eunanews.com.br

Comentários:

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível